Hoje: 23/10/2019
    Horas: 00:00:00
×
Órgãos públicos terão monitoramento por câmeras de vídeo durante 120 dias

Órgãos públicos terão monitoramento por câmeras de vídeo durante 120 dias

  • 17/09/2019
  • Folha Max

Unindo segurança coletiva, pública e orgânica, câmeras analíticas farão o videomonitoramento de quatro órgãos públicos pelo período de 120 dias. A prova conceito do projeto piloto foi feita na manhã desta segunda-feira (16.09), em apresentação ao governador Mauro Mendes, na sede da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT).

Na ocasião, foram demonstradas as funcionalidades do sistema em tempo real, por meio de testes que incluíram simulações de ativação de alarme e botão do pânico.

As câmeras foram instaladas na 10ª Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran), na Escola Estadual Professor Eliane Digigov Santana (bairro Bela Vista, em Cuiabá), Escola Estadual Elizabeth Maria Bastos Mineiro (Jardim Colorado, em Várzea Grande) e Superintendência de Assistência Farmacêutica.

As escolhas levaram em conta um levantamento feito pelo Ciosp, com o apoio das forças de segurança, especialmente as Polícias Militar (PM-MT) e Civil (PJC-MT) e Corpo de Bombeiros Militar (CBM-MT), que trabalham diretamente no atendimento de ocorrências.

Segundo o governador Mauro Mendes, a tecnologia precisa ser cada vez mais utilizada em prol da segurança pública.

“Nós temos um projeto chamado Águia que pretende levar essas tecnologias para diversas regiões de Mato Grosso, para melhorar a segurança na área veicular, e agora nós estamos testando essas tecnologias para fazer a segurança patrimonial nos prédios públicos, criando um mecanismo para tornar esse local mais seguro custando menos para o contribuinte", afirmou Mendes.

Com a implantação do sistema, qualquer situação anormal no estabelecimento provoca o acionamento do alarme junto ao Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp). O titular da Sesp-MT, Alexandre Bustamante, destacou que a adesão ao projeto piloto levou em consideração a viabilidade da ideia, a redução de custos para o Executivo e a otimização do trabalho policial.

“É uma solução para vigilância patrimonial de órgãos públicos, mas que também contempla outras funcionalidades que variam de acordo com a natureza das atividades de cada instituição”.

O projeto piloto foi viabilizado por meio da disponibilização de câmeras pela Ausec, empresa mato-grossense de automação e segurança. Portanto, neste período de 120 dias, não haverá custos para o Estado.

O diretor presidente, Wagner Figueiredo, explicou que a proposta é utilizar equipamentos de alta tecnologia, não só sob o ponto de vista de segurança patrimonial.

“Mas olhando também controle de frequências, no caso das escolas, sistema de controle de temperatura, no caso da superintendência de assistência farmacêutica, controle de ativos financeiros, enfim, dentro do que cada órgão demanda”.

Cooperação Técnica

Também na manhã desta segunda-feira, foi assinado um termo de cooperação técnica entre a Sesp, Ausec e as empresas Buzetti Pneus, S.E. Distribuidora de Alimentos e Ginco Urbanismo. O documento é resultado da adesão ao edital de chamamento público n° 001/2019, que estabelece procedimentos e critérios para credenciamento de entidades organizadas, associações, conselhos comunitários e demais entidades privadas que optem pelo monitoramento das câmeras.

Para a proprietária da Buzetti Pneus e presidente da Associação das Empresas do Distrito Industrial (AEDIC), Margareth Buzetti, o uso da tecnologia vai dar mais agilidade ao processo de segurança, uma vez que a instalação permite o monitoramento de 500 metros, com 360 graus.

“A tecnologia atua a nosso favor, isso evita, por exemplo, que eu precise contratar mais guardas para a fazer a segurança da empresa, e, com o acionamento do alarme diretamente no Ciosp, a ocorrência é atendida de forma mais ágil”, avaliou.

    Compartilhar:

Patrocínio

Recados


De: Rebotec para Ao Interessados
Recado:Ultimamente tá difícil a vida de pedreiro ou carpinteiro no município... Governo cria o MEI para legalizar a atividade e a administração fere a lei para se beneficiar em recolhimento acima do permitido. Em contrapartida têm em suas obras as ilegalidades trabalhistas onde não se sabe se ganham pela prefeitura ou pela empresa licitatória. Mas em tempo que vereador vai para o ponto P e bate no ponto C, fica difícil de um fiscalizar o outro. Enquanto isso vamos construindo uma cidade melhor, pois pelos órgão públicos o prejuízo é grande.
De: Contribuinte para Para Administração Pública
Recado:Boa tarde! A grande maioria dos pioneiros sabem da história complicada do Bairro Guaranorte. Sou morador do Jardim Vitória e estamos em recuperação de ruas, daquele jeito, mas está saindo. Agora o que me preocupou com tristeza é o descaso com o pessoal daquele bairro, para trafegar precisa tirar par-ou-impar entre os veículos. E aquela ponte de madeira! Alguém sabe se é patrimônio histórico? Até parece território desmembrado do município, lá também existe arrecadação de impostos (água, luz e telefone)... e votos. Seria ótimo serem lembrados... pronto falei.
De: Eterno Opositor para Contribuinte aloprado
Recado:Hein, fala mais com minha mão aqui. bibibi.... acho que você é alopradinho e não percebeu que também tinha testemunhas....mas....vi que é alopradinho, puxou estorinhas do baú, sítio do pica-pau amarelo, etc para querer parecer com a razão. beijinho