Hoje: 12/11/2019
    Horas: 00:00:00
×
Brasil está quase livre da oncocercose

Brasil está quase livre da oncocercose

  • 08/11/2019
  • Ministério da Saúde

Risco de transmissão se restringe a terra indígena Yanomami na divisa com a Venezuela. Ações apoiadas pela Secretaria Especial de Saúde Indígena foram fundamentais no combate à doença

 

A 29ª Conferência Interamericana sobre Oncocercose reuniu especialistas do Brasil e de outros países em Brasília, na sede da Organização Panamericana de Saúde - OPAS para debater os avanços do combate à doença nas Américas. Durante a abertura do encontro, especialistas apontaram para a redução significativa da transmissão da Oncocercose no continente americano que aponta para a provável eliminação da doença em breve.

“Sem o apoio da SESAI, seria impossível todo esse esforço que tem sido realizado para a eliminação da Oncocercose, por isso quero agradecer à minha colega Sílvia Waiãpi, por nos ajudar a avançar tanto” disse Júlio Croda, Secretário Substituto de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde ao dar as boas vindas aos técnicos participantes da Conferência.

Para o representante substituto do Escritório Brasileiro da OPAS, Tomas Pippo, nas américas as transmissão da oncocercose foi eliminada em 11 dos 13 focos. “Eliminação da Oncocercose está agora na reta final. O território Yanomami, entre Brasil e Venezuela é o último grande desafio para concluir a eliminação da doença das Américas” afirmou Tomas lembrando que o encontro debateria exatamente estes desafios finais. Atualmente, cerca de 33 mil pessoas estão em situação de risco nas Américas, 6% dos 550 mil que estavam sob risco de contrair Oncocercose no início das ações de combate à doença.

A Secretária Especial de Saúde Indígena, Sílvia Waiãpi destacou a importância do trabalho dos pesquisadores que atuam diretamente no combate à oncocercose nas Américas. “Vocês são nossos heróis, vocês, sim, merecem parabéns por todo o esforço conjunto para eliminar uma doença que causa tanto mal a um povo vulnerável e carente de direitos” exaltou Sílvia que também falou a respeito dos desafios de conduzir os destinos da saúde indígena. “Se nós não tivermos o apoio de vocês, jamais conseguiremos construir uma história forte para nosso Brasil e para as populações carentes que dependem do nosso apoio. Em breve vamos estar comemorando a erradicação dessa doença”.

A Secretária Sílvia Waiãpi ainda homenageou Abraão Yanomami, indígena habitante do território indígena que ainda mantém risco de transmissão da oncocercose. “Você representa a história de um povo que luta contra essa doença. De parente pra parente, de irmão para irmão: nós somos um povo forte, que unidos e sabendo usar nossa força, nós poderemos alcançar lugar de destaque, fazer a verdadeira representação de igual pra igual de nosso povo” destacou.

Abraão Yanomami, disse que estava muito emocionado por estar em Brasília pela primeira vez e muito honrado por participar de um momento como a Conferência. “Estou muito contente em ver minha irmã aqui na Saúde Indígena. Vamos precisar de todos vocês para melhorar as condições de saúde de nosso povo. Vamos fazer força, trabalhar juntos para melhorar saúde indígena” conclamou Abraão Yanomami.

CONFERÊNCIA

A IACO, Interamerican Conference on Onchocerciasis - é uma conferência que acontece todo ano para avaliar os avanços da iniciativa regional OEPA - Onchocerciasis Elimination Program for the Americas. O evento é considerado uma oportunidade para que os coordenadores e diretores dos programas nacionais dos 6 países endêmicos na Américas: México, Guatemala, Equador, Colômbia, Brasil e Venezuela, e demais envolvidos, analisem os resultados, troquem ideias e definam os passos a serem seguidos.

O evento é organizado pela OEPA e este ano acontece no brasil, com apoio do Ministério da Saúde, Fiocruz e OPAS com o tema central: “Brasil aproximando-se da eliminacão da oncocercose”.

 

Por Murilo Caldas, do Nucom/SESAI, para a Agência Saúde
Atendimento à imprensa:
(61) 3315.3580

    Compartilhar:

Patrocínio

Recados


De: Rebotec para Ao Interessados
Recado:Ultimamente tá difícil a vida de pedreiro ou carpinteiro no município... Governo cria o MEI para legalizar a atividade e a administração fere a lei para se beneficiar em recolhimento acima do permitido. Em contrapartida têm em suas obras as ilegalidades trabalhistas onde não se sabe se ganham pela prefeitura ou pela empresa licitatória. Mas em tempo que vereador vai para o ponto P e bate no ponto C, fica difícil de um fiscalizar o outro. Enquanto isso vamos construindo uma cidade melhor, pois pelos órgão públicos o prejuízo é grande.
De: Contribuinte para Para Administração Pública
Recado:Boa tarde! A grande maioria dos pioneiros sabem da história complicada do Bairro Guaranorte. Sou morador do Jardim Vitória e estamos em recuperação de ruas, daquele jeito, mas está saindo. Agora o que me preocupou com tristeza é o descaso com o pessoal daquele bairro, para trafegar precisa tirar par-ou-impar entre os veículos. E aquela ponte de madeira! Alguém sabe se é patrimônio histórico? Até parece território desmembrado do município, lá também existe arrecadação de impostos (água, luz e telefone)... e votos. Seria ótimo serem lembrados... pronto falei.
De: Eterno Opositor para Contribuinte aloprado
Recado:Hein, fala mais com minha mão aqui. bibibi.... acho que você é alopradinho e não percebeu que também tinha testemunhas....mas....vi que é alopradinho, puxou estorinhas do baú, sítio do pica-pau amarelo, etc para querer parecer com a razão. beijinho