Hoje: 09/12/2019
    Horas: 00:00:00
×
OAB denúncia investigadora na PC por atrapalhar trabalho de advogados em Guarantã do Norte

OAB denúncia investigadora na PC por atrapalhar trabalho de advogados em Guarantã do Norte

  • 21/11/2019
  • Folhamax

Policial estaria impedindo advogados de manterem contato com clientes presos na delegacia de Guarantã do Norte

 

A 14ª Subseção de Peixoto de Azevedo (690 KM de Cuiabá) da Ordem dos Advogado do Brasil – seccional Mato Grosso (OAB-MT), enviou à Corregedoria da Polícia Judiciária Civil (PJC) a ata de uma reunião realizada em 30 de agosto de 2019 que relata uma série de reclamações contra a investigadora da PJC, Poliana Schrammel. De acordo com os advogados, ela estaria “impedindo” o acesso dos profissionais do Direito aos seus clientes que se encontram presos na Delegacia de Polícia de Guarantã do Norte (736 KM de Cuiabá), onde a servidora atua.

Segundo o documento, pelo menos 6 advogados teriam relatado problemas com a investigadora da PJC. 

No último dia 15 de novembro, um vídeo de uma discussão entre a servidora e o advogado Marcus Giraldi – que também estava presenta na reunião da Subseção da OAB-MT de Peixoto de Azevedo -, circulou nas redes sociais.

A Corregedoria da PJC deve apurar os fatos e verificar se a investigadora está, de fato, impedindo o acesso dos advogados aos seus clientes na Delegacia de Policia de Guarantã do Norte.

ÁUDIO

Um vídeo gravado pela própria servidora no incidente ocorrido com o advogado Marcus Giraldi sugere uma agressão contra a investigadora. Nas imagens, Giraldi grita com ela, e exige a sua entrada na delegacia de polícia.

O advogado se defende, dizendo que o vídeo foi editado. Por meio de um áudio enviado à TV Centro América, que publicou as imagens durante uma reportagem, ele explica que constantemente a investigadora tenta impedir que advogados exerçam sua profissão na delegacia de Guarantã.

No episódio, Marcus Giraldi conta que a policial chegou a percebe-lo na entrada da delegacia, mas só resolveu abrir a porta cerca de 15 minutos depois. "Eu já tinha conversado com o delegado regional Geraldo Gezzoni, prevendo que ela poderia causar um problema com relação ao acesso. Eu entrei na delegacia e ela disse que não podia, que estava sendo mal educado, como vocês puderam ver no vídeo. Eu disse que iria entrar porque a lei me permite esse direito, pois eu estava no exercício da minha profissão, precisava falar com minhas clientes e a lei me garante esse exercício", reclamou.

Giraldi frisou que, na sequência, admitiu ter falado de "forma incisiva" com a policial. "Bati no balcão e falei pra ela se colocar no seu lugar  de servidora pública. Porque como servidora é obrigada a seguir a lei, que diz que quando ela está de plantão é obrigada a deixar o advogado falar com os clientes dele", explicou.

O advogado conta ainda que após realizar uma outra ligação ao delegado regional Geraldo Gezzoni,a investigadora teria mudado o “tom” e falado que não “impediu” a entrada de Giraldi a Delegacia e que só estava aguardando reforço pois estava em plantão. Segundo ele, o fato também estaria registrado em vídeo. 

AÇÃO CIVIL PÚBLICA

O Sindicato dos Investigadores de Polícia do Estado de Mato Grosso (Sinpol-MT) protocolou na última terça-feira (19) uma ação na Justiça exigindo o fim dos desvios de funções submetidos aos servidores públicos.

O processo deve ser analisado na Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT). Entre as queixas dos investigadores da Polícia Judiciária Civil (PJC) está o fato dos membros dos órgãos serem designados para atuar como “carcereiros” nas delegacias de polícia espalhadas pelo Estado.

“A medida judicial também visa proteger os colegas inseridos nessa realidade, bem como reafirmar o objetivo da carreira dos investigadores de polícia, uma vez que a postura do estado em manter a cautela de presos em delegacias gera dificuldades na rotina policial”, diz trecho do texto.

A interposição da ação civil pública ocorreu 4 dias depois do incidente envolvendo a investigadora de polícia Poliana Schrammel e o advogado Marcus Giraldi.

 

oab-policial.jpg

 

oab-policial2.jpg

 

    Compartilhar:

Patrocínio

Patrocínio

Recados


De: Rebotec para Ao Interessados
Recado:Ultimamente tá difícil a vida de pedreiro ou carpinteiro no município... Governo cria o MEI para legalizar a atividade e a administração fere a lei para se beneficiar em recolhimento acima do permitido. Em contrapartida têm em suas obras as ilegalidades trabalhistas onde não se sabe se ganham pela prefeitura ou pela empresa licitatória. Mas em tempo que vereador vai para o ponto P e bate no ponto C, fica difícil de um fiscalizar o outro. Enquanto isso vamos construindo uma cidade melhor, pois pelos órgão públicos o prejuízo é grande.
De: Contribuinte para Para Administração Pública
Recado:Boa tarde! A grande maioria dos pioneiros sabem da história complicada do Bairro Guaranorte. Sou morador do Jardim Vitória e estamos em recuperação de ruas, daquele jeito, mas está saindo. Agora o que me preocupou com tristeza é o descaso com o pessoal daquele bairro, para trafegar precisa tirar par-ou-impar entre os veículos. E aquela ponte de madeira! Alguém sabe se é patrimônio histórico? Até parece território desmembrado do município, lá também existe arrecadação de impostos (água, luz e telefone)... e votos. Seria ótimo serem lembrados... pronto falei.
De: Eterno Opositor para Contribuinte aloprado
Recado:Hein, fala mais com minha mão aqui. bibibi.... acho que você é alopradinho e não percebeu que também tinha testemunhas....mas....vi que é alopradinho, puxou estorinhas do baú, sítio do pica-pau amarelo, etc para querer parecer com a razão. beijinho