Hoje: 13/08/2020
    Horas: 00:00:00
×
Funcionários dos Correios de MT devem aderir a paralisação e entrar em greve

Funcionários dos Correios de MT devem aderir a paralisação e entrar em greve

  • 30/07/2020
  • Olhar Direto

O Sindicato dos Trabalhadores nos Correios de Mato Grosso (Sintect-MT) convocou os trabalhadores nos Correios em Mato Grosso para assembleia geral extraordinária, na quinta-feira (30), que irá definir se eles irão aderir  à greve nacional aprovada  para o dia 4 de agosto. A categoria busca manutenção do acordo salarial, realização de concurso público e também é contra a privatização da empresa. 

Segundo Alexandre Aragão, diretor do Sindicato, os trabalhadores não querem greve em meio a pandemia, mas ela é "o último recurso para garantir direitos, dos trabalhadores, que estão ameaçados”. 

Alexandre pontua ainda que a diretoria da ECT quer eliminar 70 das 79 cláusulas do Acordo, ainda em vigência, assinado com intermediação do Tribunal Superior do Trabalho (TST) no Dissidio Coletivo instaurado a pedido da própria ECT em 2019.  

O diretor avalia que o único objetivo da ECT é acabar “com direitos conquistados ao longo dos anos, com uma canetada já a partir de 1º de agosto; a empresa não admite que os trabalhadores tenham direito”. 

 

Campanha contra os trabalhadores


De acordo com as lideranças sindicais, para tentar vencer esta luta de derrubar direitos, a diretoria dos Correios tem promovido uma campanha maldosa, através da mídia, contra os trabalhadores alegando dentre outros pontos que vai retirar “supostos privilégios dos trabalhadores”. 

Na opinião do Aragão, a campanha tem objetivos bem claros: expor de maneira imprudente os trabalhadores dos Correios e colocar a opinião pública contra eles. "Os trabalhadores não tem privilégio, os trabalhadores tem direitos conquistados com muita luta, suor e sangue", afirmou Aragão acrescentando que  “a presidência da ECT faz esse discurso de desmerecer os trabalhadores para ganhar a simpatia da sociedade.  Segundo ele, com a retirada dos direitos, só vai restar o salário-base que é de 1.700,00”, afirmou Aragão, que disse ainda que a luta é “pela vida, por direitos e emprego”. 

 

Os privilegiados 


Segundo Sintect-MT,  entre todas as estatais,  os trabalhadores dos Correios são os que têm os menores salários com o início de carreira de R$ 1.700. O que pesa no financeiro da empresa são salários pagos para os diretores que ocupam cargos por indicação politica.

Para se ter uma ideia, segundo a categoria, apenas com o presidente Floriano Peixoto a empresa tem o custo anual de R$ 1.128 milhão (salário, auxilio moradia, gratificação natalina, gratificação de férias, plano de saúde, previdência complementar etc). O custo anual do empregado de carreira aos cofres públicos R$ 41 mil/ano somando os encargos. 

 

"Pacote de Maldades” ameaça direitos


Sobre os cortes previstos, o Sintect-MT disse que estão: o adicional de férias; o tíquete alimentação; redução da licença maternidade que é de 180 dias (seis meses), passaria para 120 (quatro meses); redução no adicional noturno de 60% para 20%; pagamento de multas dos funcionários e o vale cultura e a indenização por morte ou invalidez.

Segundo o Sindicato os cortes vão atingir também direitos definidos nas cláusulas que tratam do assédio sexual e moral dentro da empresa; da promoção da equidade racial e enfrentamento ao racismo; valorização da diversidade humana e respeito às diferenças; enfrentamento à violência à mulher, da comissão interna de prevenção de acidente (CIPA), as horas extras, auxilio para dependentes com deficiência, 

Os trabalhadores consideram a proposta do governo federal como “um pacote de maldades”. Para os diretores, chamar negociação num momento tão conturbado devido à pandemia, com o necessário afastamento social e o impedimento à aglomeração e assembleias, indica “uma tentativa de se aproveitar da situação para tentar impor (como faz todos os anos) retrocessos nos direitos da categoria”.

 

Déficit de trabalhadores


Sobre a reivindicação da realização de concurso na ECT, o Sintect-MT explica que visa suprir o déficit muito grande de trabalhadores. O último concurso foi em 2011. De lá para cá só acontecem demissões enquanto aumenta a demanda pelos serviços da empresa. “Para se ter uma ideia, em Mato Grosso eram 1.700 trabalhadores e hoje só 1.200; a nível nacional eram  140 mil e hoje apenas 100 mil”, informou Aragão. 

É neste cenário que o Sintect-MT realiza assembleias gerais extraordinárias em dois polos: Cuiabá: Praça da República,  17h45 e segunda chamada 18h15; Rondonópolis: Av. Goiânia, em frente ao CDD Rondonópolis, com primeira chamada às 17h30, e às 17h45 em segunda chamada.  

Na pauta constam: a avaliação da campanha salarial 2020/2021; rejeição ou não da proposta apresentada pela ECT da retirada e rebaixamento de 70 cláusulas do Acordo Coletivo do Trabalho; Aprovação do Estado de Greve; transformação da assembleia geral extraordinária em assembleia geral extraordinária em assembleia geral permanente, deflagração ou não de greve por tempo indeterminado a partir das 22 h do dia 4 de agosto, outros assuntos de interesses da categoria.

    Compartilhar:

Patrocínio

Patrocínio:

Recados


De: Rebotec para Ao Interessados
Recado:Ultimamente tá difícil a vida de pedreiro ou carpinteiro no município... Governo cria o MEI para legalizar a atividade e a administração fere a lei para se beneficiar em recolhimento acima do permitido. Em contrapartida têm em suas obras as ilegalidades trabalhistas onde não se sabe se ganham pela prefeitura ou pela empresa licitatória. Mas em tempo que vereador vai para o ponto P e bate no ponto C, fica difícil de um fiscalizar o outro. Enquanto isso vamos construindo uma cidade melhor, pois pelos órgão públicos o prejuízo é grande.
De: Contribuinte para Para Administração Pública
Recado:Boa tarde! A grande maioria dos pioneiros sabem da história complicada do Bairro Guaranorte. Sou morador do Jardim Vitória e estamos em recuperação de ruas, daquele jeito, mas está saindo. Agora o que me preocupou com tristeza é o descaso com o pessoal daquele bairro, para trafegar precisa tirar par-ou-impar entre os veículos. E aquela ponte de madeira! Alguém sabe se é patrimônio histórico? Até parece território desmembrado do município, lá também existe arrecadação de impostos (água, luz e telefone)... e votos. Seria ótimo serem lembrados... pronto falei.
De: Eterno Opositor para Contribuinte aloprado
Recado:Hein, fala mais com minha mão aqui. bibibi.... acho que você é alopradinho e não percebeu que também tinha testemunhas....mas....vi que é alopradinho, puxou estorinhas do baú, sítio do pica-pau amarelo, etc para querer parecer com a razão. beijinho