Hoje: 17/10/2021
    Horas: 00:00:00
×
Pesquisa nacional aborda tratamento e cura de pacientes com hepatite C que fazem diálise

Pesquisa nacional aborda tratamento e cura de pacientes com hepatite C que fazem diálise

  • 24/09/2021
  • Ministério da Educação

O Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco, vinculado à Rede Ebserh/MEC (HC-UFPE/Ebserh/MEC), é o centro especializado no estado pernambucano que está realizando o tratamento de pacientes com hepatite C que também fazem diálise. Esse tratamento é baseado num antiviral de ação direta de última geração e de grande efetividade e integra um projeto de pesquisa multicêntrico presente em todos os Estados do Brasil, iniciado em novembro de 2020 e com finalização prevista para novembro de 2022. O tema do estudo é “Registro, caracterização e acompanhamento de pacientes com doença renal crônica sob terapia dialítica candidatos a tratamento da hepatite C crônica”.

“O nosso objetivo é identificar todos os pacientes com hepatite C e que realizam a diálise (doentes renais crônicos) para iniciar o tratamento com um antiviral por via oral que tem uma efetividade de quase 100% de cura, sem efeito colateral e financiado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Essa medicação já eliminou a hepatite C em alguns países e é tomada todos os dias durante 12 semanas. Nos casos mais graves, esse período dobra”, explica o chefe do Serviço de Gastroenterologia do HC, Edmundo Lopes, pesquisador responsável pelo estudo em Pernambuco, ao lado do nefrologista do HC, Marclébio Dourado.

As pessoas que fazem diálise em Pernambuco serão submetidas a exames para detecção do vírus da hepatite C no local em que realizam a terapia renal. Caso tenham a hepatite C, elas serão encaminhadas para o HC-UFPE para a realização de mais exames específicos para avaliar o estado do fígado e a elaboração do laudo para a requisição da medicação na Farmácia Central do Estado para início do tratamento. “Aqueles pacientes com cirrose ou com um quadro mais crítico seguirão acompanhados pelo HC de acordo com a sua necessidade clínica”, afirma Edmundo Lopes, que também é professor do Centro de Ciências Médicas (CCM) da UFPE.

O pesquisador destaca a importância de ações como essa e lembra que o Brasil é signatário de um acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) para eliminação da hepatite C como um problema de saúde pública no País até 2030. “Estima-se que 1% da população brasileira (cerca de 2,1 milhões de pessoas) tenham hepatite C. O difícil é saber onde elas estão para realizar o diagnóstico e o tratamento. Geralmente, são pessoas acima dos 45 anos e que foram expostas ao vírus. No caso da diálise, o ambiente é mais sujeito à contaminação pela natureza da atividade (sangue e ambiente hospitalar), mas com a cura dos infectados, a doença é erradicada nesse ambiente”, relata. “Aqui no HC, pretendemos realizar ação semelhante com os pacientes diabéticos acompanhados pela Endocrinologia”, completa Edmundo Lopes.

O estudo tem como instituição proponente a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e patrocínio principal do Instituto Brasileiro do Fígado (IBF).

 

Sobre a hepatite C

 

A hepatite C é uma doença silenciosa que pode demorar muito tempo a manifestar sintomas aparentes como pele amarelada, náuseas e urina escura, por exemplo. Se não tratada, pode levar a problemas sérios como cirrose e câncer no fígado. Por isso, é tão importante detectá-la em tempo hábil por meio de um teste rápido, que consiste em furar o dedo da pessoa para detectar a presença do vírus no sangue, o que acontece em até 15 minutos.

Além de pessoas acima dos 45 anos e com doença renal crônica, os indivíduos mais propensos ao vírus da hepatite C são os que têm diabetes, transtornos psiquiátricos, doença hepática, deficiências imunológicas, histórico de transfusões de sangue até 1992, antecedente de exposição a material biológico contaminado (como sangue em seringas ou alicates de manicure não esterilizados), usuários de drogas e aqueles que tiveram/têm parceiro (a) sexual com hepatite C, entre outras.

 

Sobre a Rede Ebserh

 

Desde dezembro de 2013, o HC-UFPE faz parte da Rede Ebserh. Vinculada ao Ministério da Educação (MEC), a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) foi criada em 2011 e, atualmente, administra 40 hospitais universitários federais, apoiando e impulsionando suas atividades por meio de uma gestão de excelência.

Essas unidades hospitalares, que pertencem a universidades federais, têm características específicas: atendem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), e, principalmente, apoiam a formação de profissionais de saúde e o desenvolvimento de pesquisas. Devido a essa natureza educacional, os hospitais universitários são campos de formação de profissionais de saúde. Com isso, a Rede Ebserh atua de forma complementar ao SUS, não sendo responsável pela totalidade dos atendimentos de saúde das regiões em que os hospitais estão inseridos, mas se destacam pela excelência e vocação nos procedimentos de média e alta complexidades.

 

Assessoria de Comunicação Social do MEC com informações da Rede Ebserh

    Compartilhar:

Patrocínio

Patrocínio:

Recados


De: Rebotec para Ao Interessados
Recado:Ultimamente tá difícil a vida de pedreiro ou carpinteiro no município... Governo cria o MEI para legalizar a atividade e a administração fere a lei para se beneficiar em recolhimento acima do permitido. Em contrapartida têm em suas obras as ilegalidades trabalhistas onde não se sabe se ganham pela prefeitura ou pela empresa licitatória. Mas em tempo que vereador vai para o ponto P e bate no ponto C, fica difícil de um fiscalizar o outro. Enquanto isso vamos construindo uma cidade melhor, pois pelos órgão públicos o prejuízo é grande.
De: Contribuinte para Para Administração Pública
Recado:Boa tarde! A grande maioria dos pioneiros sabem da história complicada do Bairro Guaranorte. Sou morador do Jardim Vitória e estamos em recuperação de ruas, daquele jeito, mas está saindo. Agora o que me preocupou com tristeza é o descaso com o pessoal daquele bairro, para trafegar precisa tirar par-ou-impar entre os veículos. E aquela ponte de madeira! Alguém sabe se é patrimônio histórico? Até parece território desmembrado do município, lá também existe arrecadação de impostos (água, luz e telefone)... e votos. Seria ótimo serem lembrados... pronto falei.
De: Eterno Opositor para Contribuinte aloprado
Recado:Hein, fala mais com minha mão aqui. bibibi.... acho que você é alopradinho e não percebeu que também tinha testemunhas....mas....vi que é alopradinho, puxou estorinhas do baú, sítio do pica-pau amarelo, etc para querer parecer com a razão. beijinho