Hoje: 19/05/2019
    Horas: 00:00:00
Logo
×
Cientista brasileira vai criar kit único para detectar vírus, bactérias e fungos

Cientista brasileira vai criar kit único para detectar vírus, bactérias e fungos

  • 09/05/2019
  • G1 /Bem Estar

Pesquisa está em fase adiantada e produto poderá estar disponível em 24 meses

Adoro entrevistar cientistas. Em seus laboratórios, longe dos holofotes, dedicam-se por anos a fio para descobrir a fórmula de uma vacina, a forma de combater um micro-organismo letal. Por isso tenho o maior prazer em divulgar esse tipo de trabalho e mostrar como são fundamentais para o país. É o caso de Rosane Silva, professora associada da UFRJ e chefe do Laboratório de Metabolismo Macromolecular Firmino Torres de Castro, que pertence à universidade. A equipe que coordena está numa fase avançada para a criação de um kit único para detectar vírus, bactérias e fungos.

O que é isso: atualmente, para se descobrir o que provoca uma infecção, os kits disponíveis no mercado são específicos para um único micro-organismo. “Esse kit terá inúmeras vantagens”, ela explica. “Em primeiro lugar, o mais importante é sua abrangência. Ele identifica a presença de diferentes patógenos ao mesmo tempo. Como é possível identificar que vírus ou bactérias estão presentes, ganha-se um tempo precioso. Também consegue detectar se esses patógenos já desenvolveram alguma resistência à medicação. Além disso, só é preciso coletar uma fração de sangue do paciente, o equivalente a um décimo do que normalmente é preciso”, completa.

Em determinados casos, é bastante complexo retirar amostras para uma análise, daí a relevância de o kit exigir uma quantidade mínima de material. Por exemplo, diz a professora, “em casos de infeções em próteses ortopédicas, ou quando é necessário fazer uma punção para coletar o líquor da espinha dorsal”. O produto que está sendo desenvolvido pela cientista vai atender a pacientes que estão em situação delicada e o médico terá os resultados em 24 a 72 horas, podendo iniciar a terapêutica o quanto antes – o que pode diminuir o tempo de internação e o risco das complicações de uma hospitalização por um longo período.

Por estar sendo desenvolvido numa universidade brasileira, o kit atende com precisão às nossas necessidades: a equipe levou em conta o espectro de patógenos mais comuns no país. A iniciativa não se resume à parte laboratorial: o tratamento da amostra e o resultado demandaram a criação de um método computacional. “Teremos um banco de dados disponível para a comunidade científica e médica”, complementa Rosane Silva. O projeto é financiado pela Faperj (Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro) e também recebeu financiamento da Capes e do CNPq. Como ainda precisará passar por diversas validações e pela aprovação da Anvisa, a expectativa é de que esteja disponível em dois anos.

    Compartilhar:

Patrocínio

Recados


De: Rebotec para Ao Interessados
Recado:Ultimamente tá difícil a vida de pedreiro ou carpinteiro no município... Governo cria o MEI para legalizar a atividade e a administração fere a lei para se beneficiar em recolhimento acima do permitido. Em contrapartida têm em suas obras as ilegalidades trabalhistas onde não se sabe se ganham pela prefeitura ou pela empresa licitatória. Mas em tempo que vereador vai para o ponto P e bate no ponto C, fica difícil de um fiscalizar o outro. Enquanto isso vamos construindo uma cidade melhor, pois pelos órgão públicos o prejuízo é grande.
De: Contribuinte para Para Administração Pública
Recado:Boa tarde! A grande maioria dos pioneiros sabem da história complicada do Bairro Guaranorte. Sou morador do Jardim Vitória e estamos em recuperação de ruas, daquele jeito, mas está saindo. Agora o que me preocupou com tristeza é o descaso com o pessoal daquele bairro, para trafegar precisa tirar par-ou-impar entre os veículos. E aquela ponte de madeira! Alguém sabe se é patrimônio histórico? Até parece território desmembrado do município, lá também existe arrecadação de impostos (água, luz e telefone)... e votos. Seria ótimo serem lembrados... pronto falei.
De: Eterno Opositor para Contribuinte aloprado
Recado:Hein, fala mais com minha mão aqui. bibibi.... acho que você é alopradinho e não percebeu que também tinha testemunhas....mas....vi que é alopradinho, puxou estorinhas do baú, sítio do pica-pau amarelo, etc para querer parecer com a razão. beijinho