Hoje: 23/05/2019
    Horas: 00:00:00
Logo
×
Polícia interdita duas empresas que vendiam carne produzida em meio a fezes e animais, em Goiânia

Polícia interdita duas empresas que vendiam carne produzida em meio a fezes e animais, em Goiânia

  • 16/05/2019
  • G1 GO

A Polícia Civil interditou duas empresas que vendiam carnes produzidas em meio a fezes e com a presença de animais em Goiânia. Foram apreendidos quase 400 kg. Os proprietários foram presos, mas pagaram fianças e foram liberados.

No primeiro local, no Parque Industrial João Braz, era produzido linguiça e bacon. O local, segundo a polícia, usava um selo de inspeção estadual de uma empresa que já tinha fechado.

“A máquina estava muito suja, a pururuca era deixada para secar em cima do telhado e tinham gatos passeando no local”, disse o delegado Rodrigo Godinho.

Na casa, a câmara fria estava fora da temperatura adequada e havia produtos vencidos usados para conservação das carnes.

A empresa 3W vendia os alimentos para pequenos mercados da capital. O G1 tentou contato com a empresa, mas as ligações não foram atendidas.

No segundo lugar, no bairro Capuava, eram produzidos espetinhos. A polícia encontrou caixas de papelão no chão com os alimentos, próximo a urina e fezes de cachorros.

A casa não tinha câmara fria para o armazenamento dos espetinhos, que eram vendidos na Grande Goiânia. Os produtos não tinham nenhum rótulo ou marca e eram manuseados sem luvas. A identidade da proprietária não foi divulgada e o G1 não conseguiu localizar a defesa dela.

A operação também teve apoio do Procon Goiânia, da Agrodefesa e da Polícia Técnico Científica. O dono da empresa que fabricava linguiças, de 33 anos, e a mulher que produzia os espetinhos, de 38, foram presos, mas pagaram uma fiança no valor de um salário mínimo.

“Eles disseram que estavam com dificuldades financeiras para fazer as adequações necessárias, mas que vão providenciar agora. Os locais foram interditados e as carnes, recolhidas”, disse o delegado.

Os dois vão responder por crime contra as relações de consumo. A pena pode chegar a cinco anos de prisão.

 

    Compartilhar:

Patrocínio

Recados


De: Rebotec para Ao Interessados
Recado:Ultimamente tá difícil a vida de pedreiro ou carpinteiro no município... Governo cria o MEI para legalizar a atividade e a administração fere a lei para se beneficiar em recolhimento acima do permitido. Em contrapartida têm em suas obras as ilegalidades trabalhistas onde não se sabe se ganham pela prefeitura ou pela empresa licitatória. Mas em tempo que vereador vai para o ponto P e bate no ponto C, fica difícil de um fiscalizar o outro. Enquanto isso vamos construindo uma cidade melhor, pois pelos órgão públicos o prejuízo é grande.
De: Contribuinte para Para Administração Pública
Recado:Boa tarde! A grande maioria dos pioneiros sabem da história complicada do Bairro Guaranorte. Sou morador do Jardim Vitória e estamos em recuperação de ruas, daquele jeito, mas está saindo. Agora o que me preocupou com tristeza é o descaso com o pessoal daquele bairro, para trafegar precisa tirar par-ou-impar entre os veículos. E aquela ponte de madeira! Alguém sabe se é patrimônio histórico? Até parece território desmembrado do município, lá também existe arrecadação de impostos (água, luz e telefone)... e votos. Seria ótimo serem lembrados... pronto falei.
De: Eterno Opositor para Contribuinte aloprado
Recado:Hein, fala mais com minha mão aqui. bibibi.... acho que você é alopradinho e não percebeu que também tinha testemunhas....mas....vi que é alopradinho, puxou estorinhas do baú, sítio do pica-pau amarelo, etc para querer parecer com a razão. beijinho