Hoje: 24/08/2019
    Horas: 00:00:00
×
GO:  Marceneiro jogou álcool, ateou fogo e trancou mulher em quarto por 17 horas, diz polícia

GO: Marceneiro jogou álcool, ateou fogo e trancou mulher em quarto por 17 horas, diz polícia

  • 22/07/2019
  • G1 GO

Ele foi preso em Goiás suspeito de matar a mulher em São Paulo. Aos investigadores, ele disse que 'foi um acidente' ao acender cigarro.

O marceneiro Alex Alexandre Ferreira, de 41 anos, jogou álcool na esposa, ateou fogo e a deixou trancada no quarto durante 17 horas, de acordo com a Polícia Civil. O crime ocorreu em outubro de 2018, na Zona Sul de São Paulo. O investigado estava desaparecido desde então, até ser encontrado e preso em Goiânia, na sexta-feira (19).

O homem confessou que jogou o líquido inflamável em Sheron Chaves Monteiro, que tinha 34 anos. No entanto, alega que ela se queimou acidentalmente, pois o fogo surgiu quando eles foram fumar.

“Ele confessa parcialmente o crime. Disse primeiro que um botijão de gás tinha explodido. Mas mudou a versão falando que eles estavam fazendo um churrasco, tinha uma garrafa de álcool, eles começaram a brigar e jogou o álcool nela. Disse que, depois, eles saíram para fumar e isso provocou as queimaduras. Mas não explicou porque não deu socorro à companheira”, contou a delegada Marcella Orçai.

Segundo as investigações, feitas por São Paulo, Sheron morreu queimada na própria casa. A polícia apontou ainda que a vítima permaneceu por 17 horas no local, com mais de 70% do corpo queimado, até que uma vizinha lhe prestasse socorro. Sheron não resistiu aos ferimentos e morreu quatro dias depois, em um hospital da capital paulista.

Ao ser apresentado à imprensa pela Polícia Civil, nesta segunda-feira (22), o preso reforçou que foi um acidente e que não chamou socorro para a vítima por medo, mas não explicou do que.

 

“Cerca de três meses antes do crime, a vítima o denunciou por agressão, mas não deu andamento no caso. Eles acabaram reatando uma semana antes de ela ser morta”, completou a delegada.                                                                              

Alex foi preso após policiais da Delegacia de Investigação de Homicídio (DIH) assistirem a uma matéria sobre o caso, pesquisarem pelo suspeito e descobrirem que ele tinha parentes em Goiânia.

O marceneiro estava morando há três semanas com uma mulher no setor Luana Park. Ele foi preso quando chegava para trabalhar, no Setor Solange Park.

Segundo a Polícia Civil, Alex vai responder por feminícidio. Caso seja condenado, a pena pode chegar a 30 anos de prisão. Ele deve ser encaminhado para um presídio de São Paulo, onde aconteceu o crime.

    Compartilhar:

Patrocínio

Recados


De: Rebotec para Ao Interessados
Recado:Ultimamente tá difícil a vida de pedreiro ou carpinteiro no município... Governo cria o MEI para legalizar a atividade e a administração fere a lei para se beneficiar em recolhimento acima do permitido. Em contrapartida têm em suas obras as ilegalidades trabalhistas onde não se sabe se ganham pela prefeitura ou pela empresa licitatória. Mas em tempo que vereador vai para o ponto P e bate no ponto C, fica difícil de um fiscalizar o outro. Enquanto isso vamos construindo uma cidade melhor, pois pelos órgão públicos o prejuízo é grande.
De: Contribuinte para Para Administração Pública
Recado:Boa tarde! A grande maioria dos pioneiros sabem da história complicada do Bairro Guaranorte. Sou morador do Jardim Vitória e estamos em recuperação de ruas, daquele jeito, mas está saindo. Agora o que me preocupou com tristeza é o descaso com o pessoal daquele bairro, para trafegar precisa tirar par-ou-impar entre os veículos. E aquela ponte de madeira! Alguém sabe se é patrimônio histórico? Até parece território desmembrado do município, lá também existe arrecadação de impostos (água, luz e telefone)... e votos. Seria ótimo serem lembrados... pronto falei.
De: Eterno Opositor para Contribuinte aloprado
Recado:Hein, fala mais com minha mão aqui. bibibi.... acho que você é alopradinho e não percebeu que também tinha testemunhas....mas....vi que é alopradinho, puxou estorinhas do baú, sítio do pica-pau amarelo, etc para querer parecer com a razão. beijinho