Hoje: 24/08/2019
    Horas: 00:00:00
×
Essa história esgotou, a regra é clara, diz Mauro sobre greve que completa 75 dias

Essa história esgotou, a regra é clara, diz Mauro sobre greve que completa 75 dias

  • 09/08/2019
  • RD News

O governador Mauro Mendes (DEM) não esconde a irritação quando é questionado sobre greve dos educadores que, nesta sexta (9), completa 75 dias. O democrata está decidido a não pagar nenhum centavo que provenha de cumprimento da Lei Complementar 510 - que prevê a dobra do poder de compra da categoria até 2023, com aumento anual de 7,6% no salário - sem que o Estado esteja equilibrado financeiramento conforme os parâmetros da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

“Essa história já esgotou, deu. A regra é clara, a lei é clara. Existem leis que mandam mais que as outras. Isso todo cidadão, por mais elementar conhecimento que ele tenha, sabe que a Constituição manda mais que as leis federais, que estas mandam mais que as leis estaduais, que mandam mais quando elas são pertinentes ao mesmo assunto em relação às leis municipais. Existem leis federais que mandam mais que as estaduais que precisam ser cumpridas pelo nosso governo”, asseverou o governador.

Mauro chegou a apresentar uma proposta ao Sintep, sindicato que representa os servidores da educação no Estado, garantindo que pagará a "Lei da Dobra" quando o Estado conseguir equilibrar suas contas dentro do limite de 49% da Receita Corrente Líquida (RCL) de gasto com pessoal. A previsão segundo o secretário de Fazenda (Sefaz), Rogério Gallo, é que no próximo ano o Estado consiga esse equilíbrio. Antes de fazer a proposta, a Procuradoria-Geral do Estado emitiu parecer apontando que após 30 dias que a greve for considerada ilegal o Estado pode demitir contratados e abrir Processo Administrativo Disciplinar (PAD) contra os efetivos, por abandono de emprego. 

“Eu estou aqui defendendo o cidadão de Mato Grosso, porque todo gasto que eu fizer aqui dentro, quem vai pagar é o cidadão. As pessoas têm que aprender isso que não existe dinheiro no Estado, existe dinheiro do cidadão, que recolhemos através de impostos e aí vamos prestar serviço. O Tribunal disse claramente, será que as pessoas não perceberam isso, se continuar como vinha vindo, em 2022 toda arrecadação iria para pagar salário”, ponderou Mauro.

“Pode me rodopiar, virar de cabeça pra baixo, brigar, fazer greve, vou dizer o que é verdade, não tem outra, nós estouramos a LRF”

Mauro mendes

O democrata afirma que, caso o Estado chegue nesta situação, com toda a arrecadação comprometida com salários, a prestação de serviços será impossível. “Aí como seria? Não teríamos mais viatura na rua, não teria mais estradas sendo feitas ou consertadas. Não teríamos dinheiro para a energia elétrica, teríamos que fechar as escolas. Então temos que mudar o rumo de Mato Grosso. Precisam entender isso. Precisamos que as pessoas enxerguem a realidade. O Estado foi muito mal gerido nos últimos anos, e eu fui eleito para gerir”.

Questionado se a continuidade da greve tem influência política partidária, Mauro diz que não quer entrar neste mérito, mas pondera que o Sintep é filiado à Central Única dos Trabalhadores (CUT). “E a CUT tem estreita ligação com o PT”, pontuou.

Desabafo

As declarações de Mauro foram dadas em tom irritado. O governador desabafa que está fazendo o que está na lei e tentando equilibrar o Estado a duras penas. “Sempre disse, não mudo um milímetro porque falo a verdade, pode me rodopiar, virar de cabeça pra baixo, brigar, fazer greve, vou dizer o que é verdade, não tem outra, nós estouramos a LRF, estamos tentando aprovar esse financiamento lá a duras penas, fazendo malabarismo jurídico. As pessoas têm que aprender isso”.

O financiamento a que Mauro se refere é o empréstimo dolarizado junto ao Banco Mundial no valor de US$ 250 milhões. A negociação precisa de aprovação do Senado Federal e da Presidência da República para ser finalizado e, com isso, negociar a dívida com o Bank of America, que foi contratada pelo ex-governador Silval Barbosa, em 2012, que já foi paga em mais de R$ 1 bilhão durante a gestão Taques e ainda falta pagar cerca de R$ 1 bilhão até 2022.

    Compartilhar:

Patrocínio

Recados


De: Rebotec para Ao Interessados
Recado:Ultimamente tá difícil a vida de pedreiro ou carpinteiro no município... Governo cria o MEI para legalizar a atividade e a administração fere a lei para se beneficiar em recolhimento acima do permitido. Em contrapartida têm em suas obras as ilegalidades trabalhistas onde não se sabe se ganham pela prefeitura ou pela empresa licitatória. Mas em tempo que vereador vai para o ponto P e bate no ponto C, fica difícil de um fiscalizar o outro. Enquanto isso vamos construindo uma cidade melhor, pois pelos órgão públicos o prejuízo é grande.
De: Contribuinte para Para Administração Pública
Recado:Boa tarde! A grande maioria dos pioneiros sabem da história complicada do Bairro Guaranorte. Sou morador do Jardim Vitória e estamos em recuperação de ruas, daquele jeito, mas está saindo. Agora o que me preocupou com tristeza é o descaso com o pessoal daquele bairro, para trafegar precisa tirar par-ou-impar entre os veículos. E aquela ponte de madeira! Alguém sabe se é patrimônio histórico? Até parece território desmembrado do município, lá também existe arrecadação de impostos (água, luz e telefone)... e votos. Seria ótimo serem lembrados... pronto falei.
De: Eterno Opositor para Contribuinte aloprado
Recado:Hein, fala mais com minha mão aqui. bibibi.... acho que você é alopradinho e não percebeu que também tinha testemunhas....mas....vi que é alopradinho, puxou estorinhas do baú, sítio do pica-pau amarelo, etc para querer parecer com a razão. beijinho