Hoje: 24/08/2019
    Horas: 00:00:00
×
Idosa de 104 anos é a estudante mais velha da rede estadual de ensino de MT

Idosa de 104 anos é a estudante mais velha da rede estadual de ensino de MT

  • 12/08/2019
  • G1 MT

Ela explica que se chamava Zumira, mas com o tempo, ganhou apelido de Duzinha e tirou os documentos com esse nome.

As dificuldades encontradas ao longo de sua vida a obrigaram a adiar, por muitos anos, o sonho de frequentar uma sala de aula. Mas a determinação e a força de vontade foram primordiais para que esse sonho um dia fosse realizado. Aos 104 anos, dona Duzinha dos Reis Rosa voltou ao banco escolar e vivencia o sonho de ser alfabetizada e escrever o próprio nome.

Moradora de Araputanga, a 371 km de Cuiabá, ela se matriculou em uma das turmas do projeto Muxirum. A aluna mais velha da rede estadual de ensino já consegue juntar as letras, lê e escreve o próprio nome.

“Mas ela quer aprender bem mais. O seu maior desejo é conseguir ler a bíblia e ela vai conseguir, pois nunca vi alguém com tanta determinação e vontade de aprender. Ela é um exemplo para muitos estudantes”, conta a alfabetizadora Sandra Regina Pereira da Silva.

Dona Duzinha nunca teve a oportunidade de frequentar uma sala de aula. Quando criança, morava na roça, em Minas Gerais (MG), e o pai nunca a deixou estudar. Esse privilégio era apenas dos homens da família. Mesmo depois de casada, também não teve a oportunidade.

“Até que tentei, mas meu marido ficou doente e acabei desistindo. O povo ia dizer que eu abandonei meu marido doente. Achei melhor ficar com ele e não estudei mais”, relata.

Há 40 anos, dona Duzinha veio para Mato Grosso. Aposentada, tem muitos netos e bisnetos e uma das netas, que mora na parte dos fundos da casa, é quem cuida dela. Apesar da idade, a estudante centenária ainda tem energia para fazer suas próprias refeições e alguns serviços domésticos.

Desde que chegou em Mato Grosso, a aposentada perdeu contato com os familiares de Minas Gerais. Ela explica que se chamava Zumira, mas com o tempo, ganhou apelido de Duzinha e tirou os documentos com esse nome. “Dona Duzinha fez questão de aprender também a escrever o nome Zumira, mas, mesmo assim, o que mais gosta é do atual”, diz Sandra Regina.

A alfabetizadora foi a responsável por levar dona Duzinha a se matricular no Projeto Muxirum e voltar para a sala de aula. Ela conta que conheceu a aposentada durante um culto na igreja que as duas frequentavam.

“Quando estava montando a turma de alfabetização, a procurei para saber se não tinha interesse em estudar e ela aceitou na hora”, frisa a alfabetizadora, acrescentando que em uma turma de 10 alunos, a centenária é a mais entusiasmada.

“Ela quer escrever seu nome em toda aula, por isso, faço um exercício somente para ela. Outro dia, durante a aula, estava muito frio e as outras alunas estavam reclamando e queriam ir embora mais cedo. Mas ela não aceitou acabar a aula. Disse ter ido para estudar e que ficaria até o final", completa.

Muxirum da Alfabetização

 

Projeto de alfabetização de adultos e idosos, cujo objetivo é reduzir a taxa de analfabetismo em Mato Grosso. O curso tem duração de 270 horas, distribuídas em seis meses, com carga horária mínima de 10 horas semanais. A ação é desenvolvida em parceria com as prefeituras municipais, igrejas, sindicatos, clubes de serviços, sindicatos rurais e outros segmentos organizados da sociedade mato-grossense.

Em 2017 e 2018, o Projeto alfabetizou 10.165 pessoas em 31 municípios de Mato Grosso.

Para 2019, a previsão é atender os municípios de Acorizal, Barão de Melgaço, Jangada, Poconé, Nossa Senhora do Livramento, Alto Paraguai, Rosário Oeste, Cáceres, Figueirópolis D’Oeste, Jauru, Lambari D’Oeste, Curvelândia, Araputanga e Mirassol D’Oeste.

    Compartilhar:

Patrocínio

Recados


De: Rebotec para Ao Interessados
Recado:Ultimamente tá difícil a vida de pedreiro ou carpinteiro no município... Governo cria o MEI para legalizar a atividade e a administração fere a lei para se beneficiar em recolhimento acima do permitido. Em contrapartida têm em suas obras as ilegalidades trabalhistas onde não se sabe se ganham pela prefeitura ou pela empresa licitatória. Mas em tempo que vereador vai para o ponto P e bate no ponto C, fica difícil de um fiscalizar o outro. Enquanto isso vamos construindo uma cidade melhor, pois pelos órgão públicos o prejuízo é grande.
De: Contribuinte para Para Administração Pública
Recado:Boa tarde! A grande maioria dos pioneiros sabem da história complicada do Bairro Guaranorte. Sou morador do Jardim Vitória e estamos em recuperação de ruas, daquele jeito, mas está saindo. Agora o que me preocupou com tristeza é o descaso com o pessoal daquele bairro, para trafegar precisa tirar par-ou-impar entre os veículos. E aquela ponte de madeira! Alguém sabe se é patrimônio histórico? Até parece território desmembrado do município, lá também existe arrecadação de impostos (água, luz e telefone)... e votos. Seria ótimo serem lembrados... pronto falei.
De: Eterno Opositor para Contribuinte aloprado
Recado:Hein, fala mais com minha mão aqui. bibibi.... acho que você é alopradinho e não percebeu que também tinha testemunhas....mas....vi que é alopradinho, puxou estorinhas do baú, sítio do pica-pau amarelo, etc para querer parecer com a razão. beijinho