Hoje: 24/08/2019
    Horas: 00:00:00
×
TJ anula lei que isentou Rede Cemat de pagar R$ 17 milhões ao Estado

TJ anula lei que isentou Rede Cemat de pagar R$ 17 milhões ao Estado

  • 14/08/2019
  • Folha Max

Texto é inconstitucional porque deveria partir do Executivo e não dos deputados estaduais

O Tribunal de Justiça (TJMT) decidiu pela inconstitucionalidade da Lei Estadual 9.746, de 2012, que autorizou concessão de crédito fiscal às Centrais Elétricas Mato-grossenses (Cemat, hoje Energisa) até o montante aproximado de R$ 17 milhões. A lei foi aprovada e sancionada durante a gestão Silval Barbosa.

A decisão que também deve atingir as cerca de 80 Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) partiu do Órgão Especial do TJMT e foi proferida na quinta-feira (08) passada, em atendimento a um pedido formulado pela Procuradoria Geral do Estado (PGE) em Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra a norma que alterou a redação das leis 9.165, de 2009, 7.958, de 2003, e 7.293, do ano 2000.

O texto versava sobre concessão de remissão e anistia de créditos fiscais, inclusive mediante comprovação de investimento em entidades filantrópicas, e de benefícios fiscais na modalidade conversão de débito em investimento em infraestrutura, diferimento de Imposto sobre Ciruclação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e crédito outorgado de ICMS, com tratamento privilegiado a determinadas empresas de Mato Grosso, “a saber, a então distribuidora de energia elétrica Cemat e às PCHs”.

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) havia apontado, em ação movida pelo Sindicato dos Fiscais de Tributos Estaduais de Mato Grosso (Sintafe) ainda em 2012, que o Estado sofreu prejuízo de exatos R$ 17.256.185,37 por causa da compensação das dívidas da Cemat.

Foi esse o motivo de a corte de contas ter condenado, em dezembro de 2018, tanto o ex-governador Silval Barbosa quanto seus ex-secretários da Secretaria de Fazenda (Sefaz) Marcel de Cursi e Edmilson José dos Santos, à devolução de R$ 17,2 milhões ao erário, além de determinar que o Governo do Estado tomasse providências para revogar o artigo quarto da Lei número 9.746/2012.

ACUSAÇÃO DA PGE

No entendimento dos procuradores, a lei 9.746/2012 foi propositalmente editada para atender somente aos interesses da Energisa e das PCHs instaladas em Mato Grosso na forma da concessão de benefícios fiscais.

Esse tipo de direcionamento específico a empresas e ou setores econômicos, sempre de acordo com a PGE, é clara afronta ao artigo 129 da Constituição do Estado porque se volta contra os princípios de impessoalidade e probidade, pois prioriza uns em detrimento de outros contribuintes.

Também lembrou que lei estadual parte sempre de iniciativa da Assembleia Legislativa, mas questões financeiras só podem ser editadas por princípio do chefe do Executivo. Foi justamente esse o entendimento do relator do caso, o desembargador João Ferreira Filho. Ele entendeu que a ADI deveria prosperar porque ficou comprovada a inconstitucionalidade por vício de iniciativa. “A lei em análise não tratou da organização e funcionamento da administração, não criando deveres, obrigações ou atribuições para qualquer de seus órgãos, restringindo-se a conceder benefício fiscal”, escreveu.

Outra motivação para decretar a inconstitucionalidade da lei é o fato de que viola o princípio da isonomia tributária e da impessoalidade, porque beneficiar a referida categoria de empresas de energia elétrica não encontra “base” ou “justificativa plausível” para tratamento diferenciado pelo poder público e muito menos ter este firmado em legislação.

“É verdade que a que a concessão de benefícios fiscais abarca, essencialmente, alguma margem de discricionariedade política, quanto à sua conveniência e oportunidade, e que a igualdade não se confunde com identidade de tratamento, porém, os benefícios fiscais concedidos Lei nº 9.746/2012, precisamente porque se acha despojada de razoabilidade ou motivação em razões de políticas governamentais especificas e claras, caracterizam-se como ilegítima outorga de privilégios estatais em favor de determinados estratos de contribuintes, sendo uma espécie de discriminações/privilégios arbitrárias que não pode subsistir”, solucionou o desembargador.

    Compartilhar:

Patrocínio

Recados


De: Rebotec para Ao Interessados
Recado:Ultimamente tá difícil a vida de pedreiro ou carpinteiro no município... Governo cria o MEI para legalizar a atividade e a administração fere a lei para se beneficiar em recolhimento acima do permitido. Em contrapartida têm em suas obras as ilegalidades trabalhistas onde não se sabe se ganham pela prefeitura ou pela empresa licitatória. Mas em tempo que vereador vai para o ponto P e bate no ponto C, fica difícil de um fiscalizar o outro. Enquanto isso vamos construindo uma cidade melhor, pois pelos órgão públicos o prejuízo é grande.
De: Contribuinte para Para Administração Pública
Recado:Boa tarde! A grande maioria dos pioneiros sabem da história complicada do Bairro Guaranorte. Sou morador do Jardim Vitória e estamos em recuperação de ruas, daquele jeito, mas está saindo. Agora o que me preocupou com tristeza é o descaso com o pessoal daquele bairro, para trafegar precisa tirar par-ou-impar entre os veículos. E aquela ponte de madeira! Alguém sabe se é patrimônio histórico? Até parece território desmembrado do município, lá também existe arrecadação de impostos (água, luz e telefone)... e votos. Seria ótimo serem lembrados... pronto falei.
De: Eterno Opositor para Contribuinte aloprado
Recado:Hein, fala mais com minha mão aqui. bibibi.... acho que você é alopradinho e não percebeu que também tinha testemunhas....mas....vi que é alopradinho, puxou estorinhas do baú, sítio do pica-pau amarelo, etc para querer parecer com a razão. beijinho